Páginas

quinta-feira, 23 de março de 2017

Gesto especial


Eles eram oito executivos trabalhando em uma grande empresa. Um deles destoava dos demais.

Ele era um homem quieto, calado. Quando todos iam ao lanche, ele se retirava para um local isolado e ficava a sós.

Era tido pelos demais como uma pessoa estranha. Os colegas se encontravam depois do trabalho, saíam juntos e Ernani nunca participava de nada.

Mauro, o mais desinibido do grupo fazia graça, inventava piadas para os amigos onde, sempre, o motivo de riso era Ernani.

Certo final de semana, Mauro anunciou que iria pescar e prometeu aos companheiros que, se fosse feliz na pescaria, traria um salmão para cada um deles.

Secretamente, confidenciou aos companheiros que, para Ernani, ele destinaria as vísceras e os rabos dos peixes. Desejava pregar-lhe uma peça e todos iriam rir muito.

E assim foi. Na segunda-feira, cada um deles recebeu um embrulho muito bem feito, inclusive Ernani. Cada um foi abrindo o seu e verificando o salmão limpo.

Ernani ficou sentado, olhando para o pacote. Instado a abri-lo, entre risos de todos, de voz embargada ele falou:

Fico muito emocionado com a lembrança. Quero dizer a vocês que tenho vivido, há cinco anos, um grande drama.

Minha esposa teve um acidente e ficou tetraplégica. Todos os recursos do meu salário são para atender suas necessidades médicas.

A voz era reticente e o ar começou a pesar, no escritório. Mauro tentou retirar o embrulho das mãos de Ernani. Era tarde. Ele tinha começado a desembrulhar.

Agora, as lágrimas lhe assomavam aos olhos e ele não as conseguia conter. A emoção o dominava.

Tenho cinco filhos, continuou. Eles não vão para a escola, porque meu dinheiro não consegue pagar o que seja necessário. Eu não tenho dinheiro nem para o material escolar, nem para os uniformes.

Vocês falam a meu respeito, eu sei, porque nunca faço lanche com vocês. É que trago um lanche de casa e tenho vergonha de mostrá-lo. Por isso, sempre me retiro para comer a sós.

Mas, hoje, - e retirou mais um pedaço de papel do embrulho - hoje, meus filhos comerão bem, graças a você, Mauro.

Ernani abriu o pacote por inteiro e se deparou com as vísceras e rabos dos peixes.

Um silêncio geral se fez na sala. Um mal estar tomou conta de todos. Não havia o que dizer, o que fazer.

Então, um dos executivos se dirigiu até Ernani e depositou no seu colo o próprio embrulho. Todos os demais o imitaram.

No próximo final de semana, eles visitaram Ernani e, se cotizando, providenciaram melhor atendimento para a esposa.

Cada um deles assumiu os gastos com a escola de um de seus filhos.

Eles haviam despertado para uma realidade jamais imaginada.

A esposa de Ernani veio a falecer, alguns meses depois. Os filhos se formaram, um a um.

Os amigos se olharam e perguntaram: E, agora?

Então, juntos optaram por fundar uma O N G, cujo objetivo fosse atender a pais com necessidades especiais e seus filhos.

Um gesto de amizade redundou em benefício para uma larga comunidade.



Fique atento ao que ocorre ao seu redor. O companheiro arredio, por vezes é alguém que traz o coração em chaga viva.

Observe, pergunte, disponha-se a auxiliar e faça luz em outras vidas.


quarta-feira, 15 de março de 2017

Sob a sombra de um carvalho


"Não há como substituir um velho companheiro.

Nada vale o tesouro de tantas recordações comuns, de tantos momentos difíceis vividos juntos, tantas desavenças e reconciliações; tantas emoções compartilhadas.

Não se reconstroem essas amizades.

É inútil plantar um carvalho na esperança de poder, em breve, se abrigar sob a sua sombra."

O belo pensamento é de Saint-Exupéry, em seu texto "Terra dos homens", e nos remete a uma temática deveras importante: a construção de nossas relações com os outros.

Convidamos você, neste momento, a lembrar de um grande companheiro de sua vida: um velho companheiro, um amigo, um pai, uma mãe, um irmão, irmã, etc.

Passe uma revista rápida pelos anos de convívio e tente perceber como esta relação se formou e se consolidou ao longo do tempo.

Lembre-se das tantas emoções compartilhadas, dos momentos felizes e dos momentos tristes.

Certamente a cumplicidade, a amizade, o devotamento, não surgiram prontos, acabados.

Certamente a confiança e o profundo apreço não nasceram repentinamente.

Muito trabalho foi empregado aí, entre esses dois mundos de tantas afinidades, mas também de tantas diferenças.

O carvalho plantado precisou de rega constante, esperançosa. Precisou de tempo, de sol e de chuva.

Ambos hoje se abrigam sob sua sombra, depois de anos e mais anos de investimento mútuo.

Assim, parece simples de se entender a afirmação de Exupéry, de que é inútil plantar um carvalho na esperança de, logo em seguida, imediatamente após o plantio, já poder desfrutar de sua sombra.

A árvore leva tempo para se tornar frondosa. Porém, o tempo apenas não é suficiente.

Que adiantam cem anos de solo infértil, de estiagem, de falta de sol?

Não, um carvalho não cresce sem o cuidado da natureza, assim como uma relação de companheirismo não sobrevive se não for cuidada de perto, todos os dias.

Por isso, se desejamos poder deitar e curtir a sombra de um belo carvalho, lembremos de tratá-lo todos os dias com toda nossa dedicação.

O velho e bom companheiro de amanhã poderá ser o irmão das lutas de hoje, aquele com quem temos dificuldades, mas que temos tolerado, compreendido.

O carvalho moço ainda tem pouca e vacilante sombra. Ora está aqui, ora está acolá, sacudido pelos ventos das tempestades.

O carvalho moço ainda não se vê árvore, não se crê capaz de quebrar a luz do sol gritante.

Mas se bem cuidado vai se fortalecendo, agigantando a copa, e se tornando frondosa árvore.

O velho e bom companheiro de amanhã é o amigo que nos estende a mão hoje, e não permanece muito tempo na espera de outra que o ampare.

 


"Velho companheiro, de mil aventuras;

Quantas experiências, vivemos os dois.

... Coisas que me ensinaste, para nada serviam...

Mas bem me dizias: servirão depois.

Sempre me aconselhaste: na justa medida,

Vai gozando a vida... Sem nunca esqueceres,

De praticar o bem.

Porque a gente só goza, na justa medida,

Se ajudarmos outros, a gozar também."


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Um poderoso remédio


"A é um remédio poderoso."

Esse é o título de um artigo publicado na revista seleções de março de 2000, escrito por Phyllis Mcintosh.

A constatação de que a fé é um poderoso remédio, surgiu depois de vários estudos feitos com pessoas de várias faixas etárias e diferentes crenças religiosas.

Os especialistas não estudaram somente pessoas enfermas. Observaram também pessoas saudáveis e encontraram uma explicação possível para a ausência de doenças: a fé.

Mais de 30 estudos detectaram uma ligação entre o compromisso espiritual ou religioso e uma vida mais longa, ou seja, quem se dedica aos valores nobres, vive mais.

Uma pesquisa com 5.286 habitantes da Califórnia constatou que a taxa de mortalidade entre as pessoas que freqüentavam um templo religioso era menor.

Pessoas religiosas parecem ter menos tendência a depressão, suicídio, alcoolismo e outros vícios, segundo pesquisas.

A fé gera a esperança e um tipo de controle que combate o estresse.

Por essa razão, as pessoas que têm fé enfrentam melhor as doenças traumáticas, o sofrimento e a perda.

Estudos constataram, ainda, que a oração influencia o crescimento de bactérias e a cicatrização de feridas em camundongos.

Em uma pesquisa com 269 médicos, no encontro de 1996 da academia americana de médicos de família, 99% disseram acreditar que a fé religiosa pode contribuir para a cura.

Quando interrogados sobre suas experiências pessoais, 63% dos médicos afirmaram que a intervenção divina melhorou suas próprias condições de saúde.

Pesquisas realizadas pela revista Time/CNN e pela USA-Weekend demonstraram que cerca de 80% dos norte-americanos acreditam que a fé espiritual ou as orações são capazes de ajudar as pessoas a se recuperar de doenças ou ferimentos.

Além disso, mais de 60% acham que os médicos devem conversar com os pacientes sobre fé e até mesmo orar com aqueles que pedirem.

Talvez essa necessidade de unir a religião à medicina seja, em parte, uma reação a um sistema de saúde cada vez mais apressado e impessoal.

Diz o Dr. Larry Dossey, autor do livro "Rezar é um santo remédio": que na medicina, o pêndulo oscilou tanto para o lado físico que quase excluiu o elemento espiritual.

Os pacientes e muitos médicos não concordam com isso e o pêndulo começa a oscilar no sentido contrário.

Todas essas considerações feitas por médicos e especialistas dos estados unidos, vêm comprovar o que Jesus já ensinava há quase dois milênios, quando promovia alguma cura e dizia: "a tua fé te curou".

De um modo geral, o ser humano desconhece as potencialidades que traz na intimidade, em germem.

Jesus falou que a fé é capaz de remover montanhas. E, figuradamente, estava se referindo às dificuldades e obstáculos que as criaturas enfrentam em sua existência terrena.

Quem tem fé consegue remover as montanhas das enfermidades ou suportá-las com coragem e resignação.

A pessoa que tem fé remove os obstáculos mais ameaçadores, porque a sua confiança em Deus a faz forte o bastante para agir com coragem e a certeza de que triunfará.

 

Se todos os homens se achassem convencidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a serviço dessa força, seriam capazes de realizar tudo o que, até hoje, eles chamaram prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades humanas.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Auto-superação


Você já se sentiu, alguma vez, a pessoa mais incapaz da face da terra?

É até possível que tenha acontecido por mais de uma vez, não é mesmo?

E por que será que isso acontece?

Vamos refletir um pouco sobre essa questão.

Considere, em primeiro lugar, que você é uma pessoa única, não existe ninguém no universo igual a você.

Você tem uma soma de experiências só suas. Tem sentimentos únicos e tem limites que são só seus.

Então, é provável que ao tentar superar outra pessoa, tenha a sensação de que não é capaz e se frustre.

Se uma pessoa muito ligada a você, por exemplo, inicia um curso qualquer, e você não tem o mínimo talento para essa atividade, sente-se inferior.

Se um amigo começa um regime para emagrecer, e você está se sentindo um pouco acima do peso, faz o mesmo regime e não perde uma única grama, sente-se a pessoa mais infeliz.

Se, na academia que freqüenta, as pessoas ao seu redor fazem proezas enquanto você apenas faz tentativas vãs, a vontade de desistir é quase inevitável.

Essas, entre tantas outras situações, podem ocasionar desestímulo e sensação de fracasso.

No entanto, ao admitir que você é um ser único, e não há no universo ninguém igual a você, todas as frustrações desaparecem.

Você, ao invés de olhar ao redor, tentando superar os outros, buscará conhecer suas próprias possibilidades, talentos e limitações, e buscará superar a si mesmo.

E então, cada conquista, ainda que mínima, será uma vitória real.

Considere que você, e somente você, deve servir de parâmetro quando se trata de conquistas próprias.

As conquistas dos outros são dos outros, e todos tiveram ou têm limitações a superar ou talentos conquistados com os próprios esforços.

Não há dúvida que podemos almejar determinadas conquistas que outros já possuem, mas não devemos querer tê-las prontas.

Cada esforço deve ser envidado com lucidez, pela auto-superação, e não pela superação dos outros.

Sempre existe algo que você faz melhor que os outros e algo que os outros fazem melhor que você, e isto não é motivo para desanimar.

A verdadeira grandeza está justamente em reconhecer essa realidade e aceitá-la com maturidade.

Embora haja um forte apelo social para que acreditemos que somos uma massa uniforme, que devemos seguir determinados padrões, nós continuamos a ser indivíduos únicos.

Reflita sobre essas questões e tenha uma conversa consigo mesmo.

Analise-se com carinho e atenção, para conhecer seus limites e tente superá-los, sem neuroses.

Conheça seus talentos e reforce-os, sem pretensões descabidas.

Busque a auto-superação e não a superação dos outros.

Cresça de forma efetiva, para ser a cada dia melhor que no dia anterior. Melhor que você mesmo, e não melhor que os outros.

Não há clones de você e tampouco você é clone de alguém, por mais que se pareça fisicamente com outra pessoa.

Nem mesmo irmãos gêmeos estão nivelados nas experiências. Cada um tem seus limites e potencialidades singulares.

Pense nisso!

Você é um espírito ímpar.

Pode até imitar muito bem outras pessoas, mas ainda nisso você será sempre inigualável.

Seu perfume espiritual é único. Suas emoções são intransferíveis.

Deus criou você para que seja você mesmo, ninguém mais.

Pense nisso, e busque vencer os próprios limites para ser cada dia melhor que na véspera.


domingo, 25 de dezembro de 2016

Noite de NATAL em Florânia RN


O editor desse Blog esteve ontem em Florânia RN e na oportunidade eu e as pessoas de Altieres, Janaine, Célia, Vavá e Joaquim colocamos os assuntos em dia em um churrasco animado e amigável.

Deus seja louvado na vida dessa galera do bem.





terça-feira, 13 de dezembro de 2016

NOTA SOBRE EQUIPES DO SEVILHA SÃO VICENTE NO SERIDOSÃO 2016


Pré-Mirim nas semi-finais (sabado)
Mirim e Infantil nas quartas (quinta)
Vagas garantidas, agora só nos falta o combustível. Quem puder pode nos ajudar comprando um sorteio por apenas dois reais.
Nos ajude a continuar representando nosso município.